O chefe de cozinha que está se dedicando a alimentar refugiados da Ucrânia

Com a invasão da Ucrânia por parte da Rússia no final de fevereiro, vários ucranianos estão buscando refúgio em países vizinhos como Polônia, Hungria, Romênia e Moldávia.

São milhares de pessoas, especialmente mulheres e crianças, que estão sendo obrigadas a fugir de seu país para garantir sobrevivência em pleno inverno – quando o frio por si só já é um grande desafio.

Para ajudar a alimentar essa população, o chefe de cozinha José Andrés está oferecendo milhares de refeições em diferentes cidades de fronteira por meio de sua ONG, a World Central Kitchen (Cozinha Central do Mundo, em tradução livre).

Por dia, entre 10 a 30 mil refeições são distribuídas pela organização, que está trabalhando duro para aumentar seu alcance dia após dia.

Apesar de torcer para que os conflitos acabem logo, a organização está preparada para o pior: “Nós manteremos o trabalho por quanto tempo for preciso”, explicou Nate Mook, chefe executivo da  WCK.

O acesso à comida na Ucrânia é limitado devido às fronteiras bloqueadas e lojas fechadas após o ataque russo. 

Então, além de ajudar nas fronteiras, as operações da ONG estão garantindo que alimentos cheguem até restaurantes e estabelecimentos que permanecem funcionando na Ucrânia, para alimentar a população que decidiu lutar contra os ataques, principalmente nas cidades de Odessa e Lviv.

A ONG World Central Kitchen (WCK) foi fundada por José Andrés em 2010, depois do terremoto que devastou o Haiti e, desde então, já serviu mais de 60 milhões de refeições para pessoas em estado de emergência.