Milionário constrói centro de acolhimento de animais que seriam sacrificados

Wang Yan mora desde sempre na China, país onde, há mais de 400 anos, existe a horripilante tradição de comer carne de cachorro

O hábito cultural, no entanto, só começou a incomodar o moço em 2012, quando seu cachorro desapareceu.

Sem notícias do animal há dias e desesperado para encontrá-lo, Yan começou a bater na porta de casas de abatedourocomuns na China, elas recolhem cães de rua para sacrificá-los e vender sua carne ao comércio local.

Seu cachorrinho de estimação, infelizmente, nunca foi encontrado – e Yan suspeita, sim, que ele tenha sido abatido numa dessas casas -, mas não foi só isso que o entristeceu e indignou.

Durante sua busca, pela primeira vez, ele teve a oportunidade de conhecer os abatedouros por dentro, assim como os cães que neles estavam, já condenados a morte, e não conseguiu mais seguir a vida adiante sem pensar nisso.

Milionário do ramo siderúrgico, Yan investiu absolutamente toda a sua fortuna em um plano para salvar esses animais de rua da morte.

Em 2015, ele fundou um centro de acolhimento para cães de rua em Guangxiregião onde mora e uma das que mais mata cachorros na China, por conta de um tradicional festival local que acontece anualmente para vender iguarias feitas com a carne desses animais.

O abrigo foi construído numa antiga fábrica siderúrgica abandonada, que Yan comprou, e desde então já salvou milhares de cachorros do triste destino de irem parar em abatedouros chineses, apenas esperando para morrer.

Para dar conta de ajudar cada vez mais animais no espaço, Yan também implementou um programa de adoção responsável, em que oferece novos lares amorosos para os bichinhos que resgata.

Lindo trabalho! Quem disse que um único homem não pode transformar realidades?