Europa é 1º a conseguir atingir ODS de redução de mortalidade de mães e bebês

O Relatório da Saúde uropeia, divulgado recentemente pelo scritório Regional da OMS na Europa, apontou que o continente está espontando no atingimento de algumas metas previstas nos ODSs

ODSs são os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU, que devem ser alcançados por todos os países do mundo até o ano de 2030.

Isso porque todas as nações europeias já conseguiram atingir 2 das 13 metas previstas no ODS3, referente à Saúde e Bem-Estar, que tem como grande objetivo “assegurar uma vida saudável e promover o bem-estar para todas as pessoas do mundo, de todas as idades“.

A meta 3.1, dedicada à redução da mortalidade materna, pede para que os países de todo o mundo atuem para que, até 2030, tenham índice inferior a 70 mortes de mães a cada 100 mil partos.

Nas nações europeias, a taxa média já está em 13 mortes a cada 100 mil partos.

Já a meta 3.2, referente à redução da mortalidade neonatal, pede para que os países de todo o mundo atuem para que, até 2030, tenham índice inferior a 12 mortes de recém-nascidos para cada mil partos.

Nas nações europeias, a taxa média já está em 4 mortes a cada mil partos.

Segundo o relatório, o índice positivo é consequência de um trabalho árduo na área da Saúde, feito pelo bloco europeu desde 2010.

Que garantiu queda de quase 20% no número de mortes de recém-nascidos causadas por doenças cardiovasculares e redução de 10%  no número de mortes relacionadas a casos que envolvem detecção de câncer.

Mas, apesar dos progressos, o documento trás também alguns alertas para os países europeus na área da Saúde: as taxas de adultos fumantes e consumidores de álcool estão bem acima da média global

E os índices de saúde mental, sobretudo entre mulheres de 18 a 24 anos e de 35 a 44 anos, também estão preocupantes – principalmente depois da pandemia de COVID-19.

Como consequência, a Europa é hoje uma das regiões do mundo onde mais acontecem suicídios.