Brasileiro cria ecobarreira para despoluir rio ao lado da sua casa

Garrafas PET, latinhas, bolas de futebol, embalagens de produtos de limpeza, bonecas e até um capacete e um fogão…

Resíduos que ainda estariam boiando e poluindo as águas do rio Atuba, na cidade de Colombo, no Paraná, se não fosse a boa vontade de um único norador local, que trabalha vendendo frutas nos semáforos do município.

Diego Saldanha nasceu na região, nadou e pescou um monte no rio Atuba e já não aguentava mais ver a situação de suas águas piorar dia a dia. A população reclamava da poluição no local, mas nada fazia a respeito – tão pouco o poder público.

Eis que Saldanha, pensando no futuro de seus dois filhos e querendo ser exemplo para os meninos, decidiu arregaçar as mangas e fazer, ele próprio, algo pelo rio: sozinho, construiu uma ecobarreira com galões de água usados e pedaços de rede de proteção, que foi instalada num local estratégico do rio.

A invenção parece simples, mas tem toda uma inteligência por trás que faz com que ela acompanhe o nível da água e seja ainda mais eficiente.

Desde sua implementação, em janeiro de 2017, Saldanha estima que já tenha retirado do rio uma tonelada e meia de resíduos.

A porção de recicláveis é encaminhada ao colégio dos filhos para ser vendida e gerar renda à instituição – graças à iniciativa, eles já arrecadaram quase R$ 1 mil.