Brasileira de 15 anos cria técnica para monitorar qualidade da água usando algas

Você sabia que plantas aquáticas podem ajudar no biomonitoramento da qualidade da água?

O benefício foi tema de projeto desenvolvido por Sophia de Aquino Ilário, aos 15 anos da idade, para a escola onde estudava: o Colégio Londrinense, na cidade de Londrina, no Paraná

Na pesquisa, que já rendeu à jovem várias premiações, usa-se uma alga flutuante para monitorar a qualidade da água, ajudando a combater a poluição.

Quem se impressiona com a idade da estudante fica ainda mais surpreso ao saber que Sophia começou a desenvolver a pesquisa aos 11 anos, por conta de uma situação ambiental vivenciada pela população de sua cidade natal.

“Eu comecei a fazer esse projeto por causa de um lago que fica no centro da cidade e sofre muito com a poluição. Então comecei a pensar em um aspecto para melhorar a qualidade e biomonitorar o ambiente”, explica.

De um simples trabalho desenvolvido para uma feira de ciências do colégio, o projeto foi ganhando dimensão e já coleciona resultados expressivos.

Inclusive foi uma das boas práticas apresentadas durante o Fórum Cidadão da Região Sul, que aconteceu em Foz do Iguaçu.

O evento foi preparatório para o Fórum Mundial da Água, maior evento do setor.