Energias solar e eólica para descarbonizar o setor elétrico mundial

Energias solar e eólica para descarbonizar o setor elétrico mundial
09 abr 2021

Um estudo realizado por cientistas alemães mostrou que as fontes de energia solar e eólica são a melhor solução para reduzir as emissões da geração elétrica mundial.

Intitulado “Co-benefícios Ambientais e Efeitos Colaterais Desfavoráveis Para Estratégias de Descarbonização do Setor Elétrico”, o estudo foi publicado na revista Nature Communications.

Segundo os autores, essas fontes de energia renováveis são as mais eficientes para combater o aquecimento global ao mesmo tempo que causam os menores impactos à saúde humana.

São essas vantagens, alinhadas à competitividade dos preços de suas tecnologias, que puxam o crescimento anual das fontes solar e eólica em todo o mundo.

No Brasil, por exemplo, a eólica já se consolidou como a segunda fonte de maior participação na matriz elétrica, com mais de 17 Gigawatts (GW) de capacidade instalada atualmente.

A energia solar, por sua vez, apresenta o maior crescimento anual entre as fontes do mix e cresce especialmente entre os consumidores brasileiros que apostam no kit de energia solar.

De acordo com o estudo, a geração de energia por fontes fósseis responde por cerca de 40% das emissões mundiais de CO², principal causador do efeito estufa.

Além disso, suas tecnologias são responsáveis pelo uso e poluição da água, ocupação de terras, radiação ionizante e dejetos radioativos.

Felizmente, os cientistas afirmam que a geração de energia é a atividade humana que apresenta os métodos de menor custo para sua descarbonização e combate à poluição.

Benefícios e Desafios das Energias Limpas

Apresentando quatro diferentes cenários de transição, o estudo mostra os benefícios e os percalços de um setor elétrico mundial descarbonizado.

Para isso, os cientistas utilizaram duas metodologias diferentes, que avaliam a integração das novas tecnologias em um cenário global e seus respectivos ciclos de vida.

O estudo analisa que a maior implantação das tecnologias limpas, em especial a solar, exigiria o maior uso de recursos minerais.

No entanto, diferentemente do seu uso nas tecnologias de geração por fontes fósseis, esses materiais seriam passíveis de reciclagem ao fim de sua vida útil, apontam os cientistas.

Desta forma, eles sugerem que uma transição global elétrica de baixo carbono baseada nessas tecnologias seja muito bem alinhada a uma estratégia integrada do uso desses materiais.

O uso de terras, por outro lado, poderia ser poupado com as tecnologias solar e eólica, que demandam menos espaço que outras tecnologias, como no cultivo para a Biomassa.

A energia do sol e do vento também libera menos substâncias químicas do que outras fontes tradicionais e renováveis, como na produção do biocombustível, afirmou o estudo.

No melhor cenário de transição calculado pelos cientistas, seriam 30% a menos dessas substâncias lançadas ao meio ambiente do que no pior cenário.

Outro recurso vital a ser poupado com a expansão das fontes solar e eólica seria a água, utilizada nessas tecnologias em bem menos quantidade do que a nuclear ou bioenergia.

O documento conclui que o cenário de maior transição para essas fontes limpas apresenta os níveis mais altos de redução de emissões aliados à maior qualidade de vida humana.



Ruy Fontes
Ruy Fontes

Formado em Letras-Inglês pela Universidade Estácio de Sá, apaixonado por tecnologias e sustentabilidade, atua como gestor de conteúdo na agência #movidos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error

Curtiu nossa página?

RSS
Follow by Email
YouTube
LinkedIn
Share
Instagram