Animais

O grupo voluntário que há 6 anos resgata animais deixados para trás por fugitivos da guerra da Síria

Desde 24 de fevereiro, quando a Rússia invadiu oficialmente a Ucrânia e deu início a uma nova guerra no planeta, o assunto é uma das principais pautas nos jornais de todo o mundo. Muito se falou sobre os refugiados desse conflito e também sobre seus animais de estimação. Contamos por aqui do casal de veterinários ucranianos que está acolhendo animais que são deixados para trás por fugitivos da guerra.

Há quase 6 anos, um outro grupo formado por 20 voluntários faz um trabalho bem parecido em um outro conflito: a guerra da Síria, que já acontece há 11 anos e fez com que mais de 13 milhões de pessoas fossem obrigadas a deixar suas casas, segundo dados do Acnur, o Alto-Comissariado da ONU para Refugiados.

Sob a sigla STARabreviação para Syrian Team 4 Animal Rescue -, o grupo atua para acolher em Damascus, capital da Síria, animais que foram deixados para trás por fugitivos desta guerra, que é considerada a maior crise de deslocamentos forçados do mundo.

Muitos, além de não terem mais lar, também são resgatados bastante machucados, por serem vítimas de maus-tratos nas ruas. Isso porque, por se tratar de um conflito que já dura muito tempo, os animais de rua se tornaram uma “praga” nas cidades. Irritados com a superpopulação animal, muitos sírios que continuam na capital acabam agredindo os bichinhos para afastá-los de suas casas.

Desde maio de 2016, quando começaram a atuar, o STAR já resgatou e cuidou – com medicina de emergência, vacinação, vermifugação e castração – mais de 1,4 mil cães e gatos. Para dar conta de ajudar cada vez mais animais, eles também têm uma frente de adoção responsável para garantir novo lar aos bichinhos que já estão recuperados e, assim, ganhar espaço em seu abrigo para acolher animais que ainda estão nas ruas.

Um pinguinho de esperança em meio às tantas atrocidades dessa guerra…

Débora Spitzcovsky

Especialista em Sustentabilidade, com foco em Engajamento e Desenvolvimento Local, Débora é jornalista e cofundadora de The Greenest Post

Leave a Comment
Compartilhe
Publicado por
Débora Spitzcovsky

Posts recentes

Painéis solares autorregenerativos podem ser o futuro da tecnologia fotovoltaica

Uma das grandes vantagens do painel solar fotovoltaico é a sua longa vida útil de…

10 horas atrás

Mulheres da periferia vendendo cultura! ONG capacita mães solo para produzir livros de pano com retalhos

Professoras em uma escola pública do bairro Jardim Comercial, na zona sul de São Paulo,…

3 dias atrás

Pernambuco ganha miniusina solar para alimentar suas universidades. Economia já passou de 300 toneladas de CO2

Certamente, economizar energia é o principal motivo de todos os consumidores que instalam um sistema fotovoltaico,…

6 dias atrás

Brasileira de 18 anos recebe reconhecimento da Nasa por descoberta de novo asteroide

Apaixonada por Astronomia desde criança, a mineira Laysa Peixoto Sena Lage cresceu observando as estrelas.…

6 dias atrás

Conheça 1ª ciclovia da América Latina feita de plástico reciclado retirado do oceano

Quase uma tonelada de lixo plástico retirado do oceano. Essa é a matéria-prima da ciclovia…

1 semana atrás

Jovem do Paraná cria absorvente biodegradável feito com resíduos de colheita e ganha destaque internacional

Desde 2014, a dignidade menstrual é reconhecida pela ONU como um direito humano, mas oito…

2 semanas atrás