Energia

Energias renováveis devem representar 85% da matriz elétrica mundial até 2050

Segundo um estudo da consultoria McKinsey, a transição sustentável da geração elétrica mundial que vem ocorrendo nos últimos anos é apenas o começo de uma jornada rumo a um futuro com mais energia limpa.

O estudo afirma que a queda de preços dos painéis fotovoltaicos e aerogeradores deve continuar atraindo a maior parte dos investimentos para estas tecnologias, elevando para 85% a participação das fontes de energia renováveis na matriz elétrica mundial até 2050.

O crescimento dessas fontes alternativas de energia servirá principalmente para atender ao aumento da demanda elétrica mundial, que deve triplicar até 2050, segundo a pesquisa.

Somente em energia solar, a McKinsey projeta um crescimento de cinco vezes da capacidade instalada atual de painéis fotovoltaicos e uma participação de 43% da tecnologia na geração de energia elétrica no mundo daqui 30 anos.

Hoje, a energia solar fotovoltaica já alimenta o autoconsumo de milhões de casas e empresas em todo o planeta, além das usinas solares que também se espalham em projetos de geração centralizada.

O Brasil, que ficou em quarto lugar no ranking mundial dos países com maior capacidade instalada em 2021, é um dos exemplos onde a tecnologia vem crescendo aceleradamente.

Somente no ano passado, o país aumentou em 5,7 Gigawatts (GW) a sua produção de energia solar fotovoltaica, que atingiu 13 GW. No mês passado, ela chegou a 15 GW, superando a capacidade de Itaipu, maior hidrelétrica do Brasil.

A maior parte da energia solar no Brasil é gerada pelos próprios consumidores no segmento de Geração Distribuída (GD), que se iniciou em 2012 com as regras da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e, hoje, engloba um público de mais de 1 milhão de consumidores.

As instalações são impulsionadas por uma soma de fatores, especialmente a alta inflação energética no país, a queda de preços da tecnologia e a disponibilidade de financiamentos de energia solar.

Segundo o último Plano Decenal de Energia do governo, realizado pela Empresa de Pesquisa Energética, o Brasil deve atingir mais de 34 GW de capacidade em energia solar distribuída até 2031.

Ruy Fontes

Graduando em letras inglês-português pela Universidade Paulista, apaixonado por tecnologias verdes e tudo ligado à sustentabilidade. Atua há mais de 5 anos no setor de energia solar.

Leave a Comment
Compartilhe
Publicado por
Ruy Fontes

Posts recentes

FC Barcelona muda seu uniforme para temporada 2022-23 para apoiar crianças refugiadas

O FC Barcelona e o Acnur, Agência da ONU para Refugiados, firmaram parceria inédita para…

4 dias atrás

Surfista brasileira é eleita Embaixadora da ONU pela Proteção dos Oceanos

A surfista brasileira Maya Gabeira, nascida no Rio de Janeiro, passa a integrar a lista…

4 dias atrás

Brasileiros criam ônibus solar que já rodou mais de 100 mil quilômetros sem uma gota de combustível

Em tempos de preços altíssimos dos combustíveis, pesquisadores do Laboratório Fotovoltaica, da Universidade Federal de…

6 dias atrás

Alunos de colégio particular se unem para garantir luz para estudantes de escola pública do Pará

A educação de qualidade é um direito de toda criança e adolescente, no entanto, sabemos…

6 dias atrás

Só dá Bahia! Estado é o que mais produz energia eólica e solar no Brasil

Êta disputa boa! A geração de energia solar e energia eólica segue em expansão no…

1 semana atrás

Sem acesso à iluminação pública em sua rua, brasileiro cria poste de energia solar para garantir luz à sua comunidade

O ambientalista Diego Saldanha, que mora na cidade de Colombo, no Paraná, segue "sendo a…

2 semanas atrás