A tecnologia de saneamento básico rural que pode ser aplicada por qualquer um

A tecnologia de saneamento básico rural que pode ser aplicada por qualquer um
07 mar 2016

Neste ano, o problema do saneamento básico está sendo amplamente discutido no Brasil em virtude de tematizar as ações da Campanha da Fraternidade Ecumênica. Assim como no meio urbano, o morador do campo e das comunidades isoladas do país também sofre com a falta dos serviços básicos no setor.

Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), dos 31 milhões de brasileiros que vivem na zona rural, apenas 22% têm acesso a serviços adequados de saneamento básico. Buscando a melhoria desta realidade, a Embrapa Instrumentação desenvolveu três tecnologias sociais destinadas à promoção do saneamento básico rural.

A Fossa Séptica Biodigestora é uma mini-estação de tratamento de esgoto, com a vantagem de que o esgoto tratado pode ser aplicado como biofertilizante; o Jardim Filtrante é uma tecnologia complementar para tratar as águas menos poluentes da propriedade rural; e o Clorador é um dispositivo hidráulico, instalado entre o poço e a caixa d’água, para desinfectar a água.

“O saneamento rural tem algumas particularidades em relação ao saneamento urbano. No saneamento urbano, a pessoa tem um imóvel e mora num bairro, e o poder público faz as redes de água, as redes de coleta de esgoto, e é feito o tratamento do esgoto no final desse processo. Além disso, você tem a coleta de lixo, as redes de água pluvial (de drenagem). Na área rural são grandes propriedades, o que inviabiliza adotar um modelo urbano, talvez apenas em alguns casos em que as casas estão mais próximas, como vilas e agro-vilas”, explicou Carlos Renato Marmo, analista da Embrapa Instrumentação.

No Portal da Embrapa, há uma seção dedicada especialmente para informações sobre as tecnologias sociais, além de publicações, notícias e projetos relacionadas ao tema. Acesse aqui!



Web Rádio Água
Web Rádio Água

A Web Rádio Água é uma ferramenta de comunicação do Centro Internacional de Hidroinformática (CIH), um centro de categoria 2 do Programa Hidrológico Internacional da UNESCO. A WRA opera na produção e difusão de conteúdos em áudio (técnicos e comunitários) dentro das temáticas “Água, Energia e Sustentabilidade”. O projeto dedica-se a ser um espaço colaborativo que possibilita a troca de informações e experiências, para que, a partir da mobilização social, sejam adotadas boas práticas relacionadas à temática água como recurso natural em diferentes cenários da vida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *