Categorias: Lixo

Em SP, moradores podem trocar recicláveis por frutas, verduras e legumes frescos

Na cidade de Santo André, em São Paulo, separar o lixo orgânico do reciclável não faz bem, apenas, para o meio ambiente. Melhora, também, a alimentação da população. É que, por lá, os moradores podem trocar resíduos recicláveis por frutas, verduras e legumes frescos, por meio do programa Moeda Verde, que é mantido pela prefeitura.

Funciona assim: os cidadãos separam o lixo reciclável seco que produzem em casa (como jornal, latas de alumínio, papelão, garrafas PET e potes de vidro) e, a cada 15 dias, podem levá-lo a um dos núcleos do Moeda Verde. Ao todo, são 7, espalhados pelas regiões mais vulneráveis da cidade.

A cada 5 quilos de resíduos entregues ao programa, o “doador” tem o direito de levar para casa 1 quilo de hortifrútis da época. A iniciativa é um sucesso na cidade e já beneficia cerca de 35 mil pessoas, além de estar ajudando um monte no problema do descarte incorreto de lixo.

Isso porque, propositalmente, as ações de troca de recicláveis por comida do Moeda Verde acontecem sempre muito próximo dos principais pontos de descarte irregular de lixo da cidade. Assim, não tem porque os cidadãos continuarem com a prática! Quem também está adorando a iniciativa são as cooperativas de reciclagem locais, que fecharam contrato com a prefeitura para receber os resíduos entregues ao programa.

Para quem mora em Santo André, vale consultar o calendário de ações do Moeda Verde.

Iniciativas semelhantes também acontecem em outros municípios, como Guarujá, em São Paulo, e Curitiba e Ponta Grossa, no Paraná.

Já pensou se todos os brasileiros pudessem trocar lixo reciclável por alimentos de boa qualidade?

Foto: Divulgação/Semasa

Débora Spitzcovsky

Cofundadora do The Greenest Post, Débora Spitzcovsky é especialista em Sustentabilidade, com foco em Comunicação, Voluntariado e Desenvolvimento Local

Veja Comentários

  • Moro no Rio e aqui passa a Comlurb toda quarta feira.
    Achei fantástico está troca p frutas, legumes, etc.
    Acho q não tem no Rio.

  • muitos outros estados poderiam aderir a esta ideia!
    aqui em Belém a situação é crítica com relação ao lixo, Macapá também.

Compartilhe
Publicado por
Débora Spitzcovsky

Posts recentes

Cinco anos após ser declarada extinta, espécie rara de leopardo é vista em Taiwan

Em 2013, a União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN, na sigla em inglês) declarou os leopardos nebulosos de…

5 horas atrás

Refugiados sírios doam marmitas para idosos durante a pandemia em São Paulo

Por ONU O casal Talal e Ghazal Al-Tinawi, refugiados vindos da Síria com seus filhos, sentiu no bolso a redução…

5 horas atrás

Delivery sem lixo: USP cria embalagem sustentável para entrega de alimentos

O Brasil é o quarto maior produtor de lixo plástico no mundo, reciclando apenas 1,28% das 11,3 milhões de toneladas…

10 horas atrás

Em SP, centro técnico da Audi é 100% abastecido por energia limpa

Com o objetivo de se tornar uma empresa 100% neutra em carbono até 2050, a marca das quatro argolas instalou…

2 dias atrás

10 dicas para reduzir o desperdício de água nesta quarentena

BRK Ambiental apresenta dicas de como evitar o desperdício de água na quarentena Com a quarentena estamos passando cada vez…

3 dias atrás

Máscara que purifica ar de poluição e vírus já está a venda!

Segundo a OMS, a poluição mata aproximadamente sete milhões de pessoas no mundo todos os anos. Máscaras individuais de purificação…

3 dias atrás