Yoga e meditação podem fazer você gastar 43% menos com saúde

Yoga e meditação podem fazer você gastar 43% menos com saúde
28 jan 2016

Quem não quer economizar dinheiro? E se for de forma prazerosa, melhor ainda, certo? Então, se liga nessa notícia: estudo realizado pelo ITA (Institute for Technology Assessment) e pelo BHI (Benson-Henry Institute), ambos da Universidade de Harvard, nos EUA, apontou que praticar yoga e meditação pode te fazer gastar até 43% menos com saúde.

Segundo a pesquisa, alcançar periodicamente o estado de profundo relaxamento ajuda a aliviar o stress e a ansiedade e equilibrar os batimentos cardíacos e a pressão sanguínea. Como consequência, o corpo fica menos suscetível a doenças e as chances de precisar ir a médicos e fazer exames diminui drasticamente.

Ainda de acordo com o estudo, os problemas neurológicos, cardiovasculares, musculoesqueléticos e gastrointestinais são os primeiros a desaparecer.

A dica vale para todos nós, que buscamos diariamente meios de economizar dinheiro, mas principalmente para os governos, uma vez que boa parte da população recorre ao sistema público de saúde. Já pensou, por exemplo, se todas as escolas incluíssem yoga e meditação em suas atividades? A prática é recomendada pela Sociedade Internacional de Meditação, mas as instituições ainda resistem, uma vez que precisariam aumentar sua carga horária para incluir a atividade extracurricular na grade.

Felizmente não são todas! Conheça:
– a escola de SP que melhora a nota dos alunos com yoga,
– a creche que oferece yoga, meditação e merenda vegetariana às crianças e
– a escola que incorpora meditação às aulas de Educação Física.

Foto: Take Back Your Health Conference/Creative Commons



Débora Spitzcovsky
Débora Spitzcovsky

Débora Spitzcovsky é jornalista, formada pela Universidade Metodista de São Paulo e, desde o início da carreira, atua na área da sustentabilidade. Atualmente, é analista de comunicação sobre o tema na Duratex

Observações

  1. Marciano D. Pontel Diz: novembro 1, 2017 at 8:13 pm

    Débora, você poderia me passar o artigo ou pesquisa da Universidade de Harvard que você cita no início do seu texto?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *