O brasileiro que criou sozinho uma ecobarreira para despoluir rio que passa ao lado da sua casa

O brasileiro que criou sozinho uma ecobarreira para despoluir rio que passa ao lado da sua casa
01 mar 2018

Garrafas PET, latinhas, bolas de futebol, embalagens de produtos de limpeza, bonecas e até um capacete e um fogão… Resíduos que ainda estariam boiando e poluindo as águas do rio Atuba, na cidade de Colombo, no Paraná, se não fosse a boa vontade de um único cidadão local, que trabalha vendendo frutas nos semáforos do município.

Diego Saldanha nasceu na região, nadou e pescou um monte no rio Atuba e já não aguentava mais ver a situação de suas águas piorar dia a dia. A população reclamava da poluição no local, mas nada fazia a respeito – tão pouco o poder público.

Eis que Saldanha, pensando no futuro de seus dois filhos e querendo ser exemplo para os meninos, decidiu arregaçar as mangas e fazer, ele próprio, algo pelo rio: sozinho, construiu uma ecobarreira com galões de água usados e pedaços de rede de proteção, que foi instalada num local estratégico do rio. A invenção parece simples, mas tem toda uma inteligência por trás que faz com que ela acompanhe o nível da água e seja ainda mais eficiente.

Desde sua implementação, em janeiro de 2017, Saldanha estima que já tenha retirado do rio uma tonelada e meia de resíduos. A porção de recicláveis é encaminhada ao colégio dos filhos para ser vendida e gerar renda à instituição – graças à iniciativa, eles já arrecadaram quase R$ 1 mil. Já os objetos mais peculiares que retira das águas ficam expostos em uma espécie de museu que montou para conscientizar a população e os visitantes. Lá, entre outros “resíduos”, estão um tanque, o motor de uma máquina de lavar roupas, uma cadeirinha infantil para carros, um aquecedor elétrico e bonecas – que a mãe de Saldanha caprichosamente reforma e põe à venda no brechó que tem na cidade.

A ideia deu tão certo que o moço vira e mexe é convidado para palestrar em colégios. Saldanha tem tanto orgulho da ecobarreira que desenvolveu que, inclusive, criou uma página no Facebook para disseminar a iniciativa e ajudar pessoas interessadas a replicá-la em outras cidades do país. Ah, se todos os seres humanos fossem Saldanhas…

Foto: Divulgação



Débora Spitzcovsky
Débora Spitzcovsky

Débora Spitzcovsky é jornalista, formada pela Universidade Metodista de São Paulo e, desde o início da carreira, atua na área da sustentabilidade. Atualmente, é analista de comunicação sobre o tema na Duratex

Observações

  1. Qual é a pagina do cara?

  2. Que bela iniciativa. Parabéns.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *