Mãe perde tutela do filho ao optar por dieta vegana

Mãe perde tutela do filho ao optar por dieta vegana
04 dez 2014

12 dias. Esse era o tempo de vida de Caleb quando o Serviço de Proteção à Criança do Condado de Seminole, nos EUA, decidiu separar o bebê de sua mãe, Sarah Markham. O motivo? Ela optou por criar o próprio filho com uma dieta vegana.

Ainda na fase de amamentação, Caleb começou a apresentar acentuada perda de peso. A mamãe Sarah, então, levou o bebê ao pediatra, que constatou que a criança já havia perdido 10% de seu peso corporal e precisava ser levada imediatamente ao hospital.

Sarah, que sempre foi a favor de tratamentos holísticos, recusou-se a cumprir a ordem médica e optou por tratar seu filho com uma fórmula vegana, à base de soja. Mas a decisão indignou o pediatra: ele deu queixa no Serviço de Proteção à Criança, que tirou a custódia do bebê da mãe e, ainda, prendeu a mulher.

Caleb e Sarah passaram cinco meses separados, até que um juiz decidiu desconsiderar as alegações de que Sarah Markham é uma pessoa despreparada para cuidar de seu filho e devolveu a custódia da criança à mãe. Apesar disso, Sarah continua respondendo a processo criminal na Justiça.

Ao reencontrar o filho, a surpresa: Caleb estava muito bem nutrido, com quase 8 quilos. Durante o período em que esteve afastado da mãe, ele foi cuidado pelos avós, que o trataram exatamente com a mesma fórmula vegana à base de soja que havia sido encomendada pela mãe. “Não houve abuso, não houve negligência. Houve simplesmente um médico que se sentiu desafiado por uma mãe e não gostou disso”, disse o avô do menino, Bo Markham, à rede de TV Fox Carolina.

E aí, Serviço de Proteção à Criança? Foi mal?

Foto: Reprodução/Facebook



Débora Spitzcovsky
Débora Spitzcovsky

Débora Spitzcovsky é jornalista, formada pela Universidade Metodista de São Paulo e, desde o início da carreira, atua na área da sustentabilidade. Atualmente, é analista de comunicação sobre o tema na Duratex

Observações

  1. isso já foi tema até de um episódio do dr House

  2. Mas as mães que levam os filhos aos fast-food com pouco mais de um ano, aquelas que põe refrigerante na chuquinha e enchem o bebê de papinha industrializada, comprada na farmácia, essas sim são boas mães,né? AAafff…esse mundo está com os valores todos trocados! E eu nem sou vegana ou vegetariana!!!

  3. Uma alimentação vegana ou vegetariana é perfeitamente viável nutricionalmente e bem saudável, diga-se de passagem. Em qualquer fase da vida. Só precisa ser bem planejada, como qualquer outra alimentação.

  4. […] assim, nos EUA, uma mãe perdeu a tutela do filho por optar pela dieta vegana. Mas macarrão instantâneo e salsicha estão liberados. Vai […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *