Johnson & Johnson paga indenização milionária a família de mulher que morreu com câncer no ovário

Johnson & Johnson paga indenização milionária a família de mulher que morreu com câncer no ovário
04 mar 2016

Ao ver as propagandas fofas e gostosas da marca Johnson & Johnson, não imaginamos nem metade do que está por trás da fabricação de seus produtos. Muito químico que mal conseguimos pronunciar o nome está escondido em shampoos, perfumes, sabonetes e talcos que usamos em nossos bebês recém-nascidos – e, muitas vezes, até mesmo em nós, adultos.

Os talcos da marca foram cientificamente ligados ao desenvolvimento de câncer no ovário. Jacqueline Fox descobriu isso da pior maneira possível. Depois de usar durante 35 anos o talco da Johnson & Johnson, descobriu a doença e, rapidamente, ligou as recém-descobertas científicas sobre os produtos da marca ao seu caso. Infelizmente, Jacqueline não sobreviveu para comemorar sua vitória judicial contra a empresa, mas sua família será indenizada em US$ 72 milhões.

Hoje, há diversas pesquisas que ligam o uso do talco em pó ao câncer no ovário. Além disso, talco é um ingrediente comum em muitos produtos da Johnson & Johnson. Segundo 23 estudos divulgados pelo Jornal de Câncer Ginecológico, em maio de 2015, o produto aumenta o risco do câncer no ovário de 30 a 60%. Outro estudo conduzido pelo Instituto Americano do Câncer chegou a conclusão semelhante. A ligação entre o talco e o câncer de ovário ficou ainda mais forte quando cientistas encontraram minerais presentes no produto dentro dos tumores retirados das mulheres.

Segundo Jere Beasley, um dos advogados de Jacqueline Fox, há evidências de que a Johnson & Johnson descobriu os riscos do talco ainda na década de 80. E nada foi feito pela empresa para retirar o componente de seus produtos, que continuam arriscando a saúde de seus consumidores mais fiéis. Quanta consideração com o consumidor, não?


 


Jéssica Miwa
Jéssica Miwa

Mãe do Gael, Googler, jornalista e cofundadora do The Greenest Post. Acredita em pequenas ações que podem mudar o mundo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *