Aplicativo da ONU desafia: fique 10 minutos sem celular e ajude 1 criança sem água

Aplicativo da ONU desafia: fique 10 minutos sem celular e ajude 1 criança sem água
20 jan 2015

Segundo a ONU-Água, a falta de água potável mata uma criança a cada 15 segundos no mundo. E se você pudesse fazer a diferença na vida delas, apenas, deixando o celular de lado por algumas horas (ok, minutos) do seu dia?

Esta é a proposta da iniciativa Tap Project. Criada pelo Unicef, o Fundo das Nações Unidas para a Infância, a ação converte o tempo que as pessoas conseguem ficar sem mexer no celular em litros de água potável para crianças que não têm acesso ao recurso.

Para participar, basta acessar pelo próprio iPhone (sim, apenas iPhones podem participar) o site do projeto, posicionar o celular em cima de uma superfície rígida e dar início à “brincadeira”. A cada 10 minutos sem mexer no celular, você conquista um dia de água potável para uma criança carente.

A iniciativa já soma mais de 200 milhões de minutos ‘offline’, que puderam ajudar cerca de 20 milhões de meninos e meninas que vivem, diariamente, sem acesso à água potável. Os minutos ‘doados’ pelas pessoas no site são convertidos em dinheiro para as crianças carentes por meio dos patrocinadores do Unicef.

Sim, é verdade que eles poderiam fazer as doações sem o Tap Project, mas a intenção da ONU é envolver os cidadãos nessa luta, a fim de conscientizá-los sobre o problema da falta de água no mundo (e a importância de economizar o recurso). Ao tirar das pessoas algo que julgam essencial no seu dia a dia – no caso, o celular –, as Nações Unidas esperam provocar uma reflexão: se é difícil viver sem um aparelho eletrônico, imagina sem água?

Curtiu a iniciativa? Acesse o site do Tap Project por um iPhone e, depois, volte aqui para contar para a gente quantos minutos você conseguiu resistir sem mexer no aparelho – e, o mais importante, quantas crianças tiveram acesso à água potável por conta dessa atitude.  (:

Foto: Divulgação/Tap Project



Débora Spitzcovsky
Débora Spitzcovsky

Débora Spitzcovsky é jornalista, formada pela Universidade Metodista de São Paulo e, desde o início da carreira, atua na área da sustentabilidade. Atualmente, é analista de comunicação sobre o tema na Duratex

Observações

  1. Uma brincadeira com vidas humanas? parece divertido… posso usar minha serra elétrica?

  2. […] (Fonte: http://www.thegreenestpost.com) […]

  3. Gilberto Kohn Diz: Abril 30, 2018 at 3:59 am

    Ola pessoal,
    Estamos trabalhando na Africa a quase 9 anos.
    E’ dificil descrever a situacao da agua consumida pelos africanos, claro alem de outros problemas sanitarios, economicos, culturais, etc.. Em 2015 decidimos iniciar uma organizacao para tentarmos trabalhar em duas frentes – Saude e agua (ambas conectadas intimamente).
    Na questao de saude comecamos a identificar meios para controlar a malaria(e’ o que mais mata aqui)e comecamos a multiplicar e distribuir mudas de “Arthemisia annua”, a qual se tomada regularmente elimina o agente causador da doenca (A artemizina tambem e’ o principo ativo dos medicamentos de ultima geracao para cura da malaria). Em 2 anos conseguimos distribuir ao redor de 5.000mudas, 1 por familia. Temos ainda um programa de coleta e estudo de plantas medicinais usadas pelas diferentes comunidades nos rincoes africanos.
    Na questao da agua (pessoalmente creio que a sanidade, a qualidade da agua podera estar matando muito mais do que a malaria, porem as mortes nao sao quantificadas como tal), nesta area comecamos a construir cacimbas nas comunidades, com a devida participacao das mesmas, devidamente muradas com tijolos e cimento, cobertas e o resultado esta sendo fenomenal. Em 2 anos construimos ao redor de 30 cacimbas e cada uma abastece proximo de 40 familias. Considerando que cada familia possui em media 6 membros, resultando em cerca de 6.000pessoas beneficiadas com agua limpa.
    Ha muito para fazer. Nao doamos nada, sempre primeiro tentamos educar o pessoal e depois dar ou ajudar no que for possivel.
    Poderiamos expandir se tivessemos mais recursos, e por isso solicito para quem puder nos ajude.
    Nao estamos registrados como ONG, mas estamos considerando faze-lo por necessidades burocraticas e legais aqui na Ugada e Sudao do Sul.
    O nome da nossa organizacao: “A Better life with healthy food and clean water”.
    Grato Gilberto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *