A cidade destruída por lama tóxica (que virou exemplo ecológico)

A cidade destruída por lama tóxica (que virou exemplo ecológico)
16 set 2014

Como já diz o ditado popular: “Há males que vêm para o bem“. Após enchente tóxica, que aconteceu devido a um vazamento de uma usina de alumínio em 2010, a cidade de Devecser, na Hungria, foi reconstruída e virou exemplo de cidade verde. Na ocasião, 10 pessoas morreram e 150 foram gravemente feridas. Hoje, um parque marca o local da tragédia.

O prefeito da cidade tem usado da ‘oportunidade’ de reconstrução para transformá-la em exemplo de cidade sustentável, que utiliza valores high-tech e também técnicas ancestrais.

Uma floresta de 30 hectares fornece madeira para aquecer as 87 casas reconstruídas oito meses após a tragédia. “Para mim, é muito importante usar energia limpa para nos aquecer. A minha segunda preocupação foi usar recursos locais para tanto”, conta Támas, prefeito de Devecser.

Além disso, há um planejamento para que, a partir deste ano, a cidade comece a cultivar seus próprios alimentos e deixar de depender da importação de produtos. “Quero trazer de volta técnicas de cultivo de baixo custo. É mais saudável que os produtos que compramos na Tesco [rede de supermercado local]”, explica Támas.

A região é uma das duas mil cidades teste da waste-to-energy, que gera energia por meio da incineração adequada do resíduo orgânico produzido pela população. No total, essas cidades fazem uso de 255 milhões de toneladas de lixo por ano.

Uma usina solar de desidratação de vegetais está em construção – a ideia é que ela supra parte do consumo local que provém de cidades vizinhas. “Há um longo caminho a ser percorrido para alcançar um modelo de cidade sustentável, mas precisamos começar de algum lugar”, reconhece o prefeito ao The Guardian.

Foto: nomad84/Creative Commons



Jéssica Miwa
Jéssica Miwa

Mãe do Gael, Googler, jornalista e cofundadora do The Greenest Post. Acredita em pequenas ações que podem mudar o mundo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *