Tubos de concreto da construção civil viram moradias acessíveis (e superestilosas!) em Hong Kong

Tubos de concreto da construção civil viram moradias acessíveis (e superestilosas!) em Hong Kong
16 jan 2018

Já pensou morar em um tubo? A tendência de micro-habitação decolou na última década e acabou de ser levada a outro nível. Ainda mais compactadas do que as casas feitas de contêineres, que já noticiamos aqui, no The Greenest Post, a Opod Tube House, desenvolvida pela empresa arquitetônica James Law Cybertecture, é feita com tubos de concreto reutilizados.

Isso mesmo: tubos de água de concreto reutilizados da construção civil, que medem pouco mais de 2,5 metros de diâmetro, estão sendo transformados, em Hong Kong, em moradias bastante confortáveis e superestilosas, que acomodam uma ou duas pessoas em cerca de 9,3 m².

O interior da casa é equipado com cômodos convencionais: uma sala de estar com banco que vira cama, uma minicozinha, um banheiro com chuveiro e bastante espaço para armazenar roupas e itens pessoais, levando em conta o tamanho da moradia.

De acordo com o arquiteto James Law, responsável pelo projeto, a inspiração por trás das minúsculas casas de tubos é praticidade: foi a forma que encontrou de oferecer moradia acessível a jovens e pessoas em situação de vulnerabilidade social. Embora as casas estejam longe de ser leves, pesando cerca de 22 toneladas, elas não exigem muito em termos de instalação e podem ser tranquilamente escoradas umas às outras, o que reduz custos. Law já sonha com comunidades inteiras de casas de tubo instaladas em espaços até então não aproveitados nas cidades – como becos e pontes.

Quer conhecer melhor a casa de tubo? Assista ao vídeo abaixo! Quem aí gostaria de morar numa dessas?



Mattheus Goto
Mattheus Goto

Estudante de Jornalismo da Faculdade Cásper Líbero, repórter na COP 23, estagiário no The Greenest Post e apaixonado por música, arte e histórias de vida.

Observações

  1. João Ramos Diz: Janeiro 19, 2018 at 10:16 am

    Genial a ideia. Sem contar o fato de que houve o reaproveitamento de um material que antes poderia ser descartado como entulho e que agora traz uma nova aplicação ao mundo arquitetônico.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *