Pesquisadores identificam 57 diferentes tipos de agrotóxico nas abelhas – culpa da agricultura!

Pesquisadores identificam 57 diferentes tipos de agrotóxico nas abelhas – culpa da agricultura!
04 abr 2016

Estudiosos do Instituto Nacional de Pesquisas Veterinárias da Polônia desenvolveram uma maneira de analisar de forma mais profunda e detalhada a composição do mel de abelha. E o resultado é, no mínimo, assustador: foram identificados 57 tipos diferentes de pesticidas nas cerca de 70 amostras analisadas.  

“A saúde da abelha é uma questão de preocupação pública, pois ela é extremamente importante para o meio ambiente e para a agricultura. É ela a responsável pela polinização de 80% das florestas e plantações na Europa”, explica Tomasz Kijianek, principal autor do estudo. “Por isso, queremos desenvolver uma grande pesquisa para descobrir de onde vêm todos esses pesticidas que estão sendo encontrados no organismo das abelhas”, conclui.

A população da espécie vem caindo constantemente e tudo indica que seja efeito dos diversos agrotóxicos utilizados atualmente nos cultivos de alimentos. O grave problema ambiental da diminuição de abelhas, conhecido como “Colony Collapse Disorder”, é percebido desde 2003, principalmente na Europa e América do Norte.

Entre 2012 e 2014, a quantidade de abelhas no continente europeu caiu 36% ao ano. Já nos EUA, pesquisas apontam que a queda é ainda maior: 45%. Ou seja, o problema é fato, mas a razão ainda é desconhecida. Pode ser por conta de um tipo específico de agrotóxico, ou de vários deles, ou até mesmo de uma combinação específica entre essas substâncias.

“A contaminação é apenas a ponta do iceberg. Mesmo em pequenas quantidades, agrotóxicos enfraquecem a defesa da população de abelhas, permitindo que parasitas e vírus destruam suas colônias”, lamenta Kiljanek. Confira o estudo na íntegra!

Foto: Hamish Irvine/Creative Commons



Jéssica Miwa
Jéssica Miwa

Mãe do Gael, Googler, jornalista e cofundadora do The Greenest Post. Acredita em pequenas ações que podem mudar o mundo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *